Herpes Labial

Com o aparecimento do frio e vento é comum aparecer também o herpes labial.

O herpes é uma infeção causada pelo Vírus Herpes simples 1 e é uma infeção crónica e recorrente.

Esta infeção localiza-se, por norma, nos lábios, mucosa da boca e bochechas e é contagiosa. O vírus penetra na pele ou mucosa, aloja-se numa terminação nervosa e fica latente. O maior risco de contágio é entre o momento em que a bolha surge até se tornar crosta.

A reativação do vírus pode ocorrer devido a vários fatores, tais como:

– Exposição à luz solar intensa;

– Frio;

– Vento;

– Fadiga física e mental;

– Alterações hormonais;

– Distúrbios gastrointestinais;

– Stress emocional;

– Febre;

– Alimentos salgados;

– Outras infeções que diminuam a resistência orgânica

O herpes labial manifesta-se em 6 fases e normalmente dura aproximadamente 10 dias, dependendo da pessoa. As fases são as seguintes:

1 – Formigueiro (Pode durar algumas horas ou alguns dias);

2 – Inchaço e vermelhidão (Eritema);

3 – Vesícula (Tem milhões de vírus no seu interior);

4 – Úlcera;

5 – Crosta;

6 – Cicatrização

O tratamento do herpes deve ser iniciado o mais breve possível. No mercado existem cremes e pensos que podem utilizar para o tratamento deste vírus e podem adquiri-los em qualquer farmácia e parafarmácia. Se estiver grávida ou suspeita que está grávida é importante avisar pois não é aconselhável o uso dos cremes.

Para ajudar a prevenir e/ou a tratar, pode também seguir estas seguintes dicas:

– Colocar uma compressa de gelo sobre a zona afetada durante alguns minutos, várias vezes ao dia para diminuir a dor e pode ajudar a minimizar o desenvolvimento do vírus;

– Evite tocar ou coçar as bolhas e nunca tocar nos olhos a seguir;

– Lavar sempre bem as mãos e o rosto;

– Evitar partilhar batons e protetores labiais;

– Evitar também a partilha de objetos pessoais, tais como: copos, talheres, toalhas, etc;

– Recorrer a suplementos vitamínicos para evitar recorrência (ex: vitamina C para reforçar o sistema imunitário)

– Consuma alimentos ricos em lisina (abacate, feijão, legumes em geral, fígado, entre outros)

Para mais informações, fale com o seu médico e/ou farmacêutico. 

Para outras dicas de saúde, pode clicar AQUI.

Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *