Falar é fácil – Opiniões à revista

Falar é fácil! 
Sei que em cada projeto que me aventuro a crítica nunca vai ficar de fora.
Tenho consciência disso, e sei lidar bem com tudo aquilo que leio e oiço.

Se alguém pensa que me afeta ou que me vai fazer parar, está enganado, normalmente dá-me mais força.

Já li muita coisa, e em relação à revista, 95% do que li, foi muito bom! Foi mais que isso, foi maravilhoso!
O meu muito obrigada!

Na verdade, não considero que a revista tenha recebido críticas negativas (e se recebesse tudo bem), mas sim algumas opiniões, e estas são todas válidas, desde que não tenham sido para magoar e propositadamente, são muito bem-vindas, ajudam a melhorar e é como tudo, cada um tem a sua opinião e eu respeito.

Agradeço a todas as pessoas que colaboraram dizendo o que pensam durante esta nº1, de forma a que a nº2 seja ainda melhor, foi muito importante para mim perceber as falhas que existiram.

Às pessoas que amaram e dizem que querem fazer coleção e estão ansiosas já pelos próximos números, quero dizer que me encheram o coração e que eles estão a caminho.

Quanto a alguma opiniões com sugestões que li, ou pessoas que entre elas vi que estavam a comentar como é que a deveria ter feito e o que seria ideal, gostaria de dizer o seguinte:
  •  Quando decidi fazer esta revista obviamente a ideia era acrescentar valor, era ajudar todos os portugueses, por isso queria que a mesma incluísse:
    – Artigos de interesse geral e úteis
    – Trazer a Poupadinha, mas com estilo para o papel (porque ainda acredito que o papel tem o poder de eternizar) e criar um género de uma Vogue para pessoas reais (ou seja, roupa e acessórios giros mas acessíveis)
    – Dar dicas que acrescentem valor à vida dos portugueses
    – Ter receitas práticas e poupadinhas
    – Sugerir a ida a eventos gratuitos e outros mais baratos

    – Eventualmente incluir alguma amostra grátis
    – Ter cupões de desconto para usar em várias lojas online
    – Ter vales de desconto para supermercado
  • Sempre disse que gostava sim, que os vales fossem um chamariz, mas que o que queria mesmo era que as pessoas acabassem de a ler e folhear e dissessem que queriam já a nº2.
    Queria ter a certeza que se as pessoas não usassem os vales, isso lhes fosse indiferente porque o conteúdo era perfeito!
    Sinceramente não sonho em ter uma revista daquelas que as pessoas compram única e exclusivamente porque traz uns vales porreiros! Não! Quero que a comprem pelo todo, a revista custa apenas 2€ mas tem de ser toda ela uma mais valia. É isto que quero!
  • Os vales que a revista traz, foram os vales possíveis para uma primeira edição, que as marcas ainda não conheciam e nem sabiam bem o que podiam esperar.
    Se vos dissesse a quantas reuniões fui, quantas viagens fiz do Algarve para Lisboa,  quantos emails troquei, vocês não acreditariam, foram dezenas, senão centenas…trabalhei tanto, mas tanto para esta revista estar nas bancas, que quando me lembro até dói…portanto quando alguém vem do alto da sua sabedoria dizer que eu devia era ter posto vales para supermercado ou unir-me a uma cadeia conhecida, não me está a dar ideias nem sequer a desvalorizar o meu trabalho, está apenas a criticar uma situação sobre a qual não tem qualquer conhecimento do motivo!
    Acham que eu ia criar uma revista com este conceito e não tinha feito qualquer esforço para conseguir vales de supermercado?
    Eu sei o que os portugueses querem, melhor ainda, eu sei o que o portugueses precisam, e foi mesmo por isso que criei a Poupadinhos Revista, mas infelizmente ainda não mando nas marcas, eu faço propostas, elas aceitam se quiserem.
    Pessoalmente acredito que já perceberam o potencial da revista (por isso quanto mais comprarem melhor) e em breve teremos muitos vales para bens essenciais também, eu acredito nisto e estou a fazer os possíveis e os impossíveis.
    Por agora a alternativa que encontrei foram os vales de desconto para algumas lojas online que também vendem bens essenciais e os descontos são excelentes!
    Acabei por optar na sua maioria por lojas online, porque assim todos os leitores têm acesso à loja e ao desconto, foi a melhor solução que consegui e sei que está a ser fantástica para muitas pessoas que já aproveitaram bastante!
    Existem vários cupões também para lojas físicas, mas mais dentro do vestuário e beleza.
    Podem depois contar com descontos em gráficas, várias lojas de bebé e crianças, relógios, óculos de sol, hotéis, desporto, vitaminas e suplementos, alimentos, agências de viagens e muito mais!
    Muitas pessoas adoraram os vales e estão a usá-los, outras preferem os artigos e as dicas,  e não vão usar os vales, há necessidades e opiniões diferentes, e isso é  também é ótimo.
  • Quanto às pessoas que disseram que a revista era um pouco cara, gostaria de dizer que 2€ é o preço da revista.
    A revista tem 100 páginas ricas em informação, dicas preciosas, vales de descontos e um trabalho fotográfico trabalhoso e maravilhoso.
    A revista tem a colaboração de profissionais de renome das suas áreas (Ana Bravo na Nutrição, e Dr. Américo Batista especialista em comportamentos obsessivos compulsivos por exemplo).

    A revista tem de ser impressa e distribuída. Há toda uma equipa por trás desta publicação, que nos dá imenso trabalho…a revista é mensal…2€, contas feitas por dia são 6 cêntimos…basta usar um dos 18 vales que a revista traz e a mesma fica paga! Cara? Sinceramente, não me parece, e felizmente esta opinião é de uma minoria, na realidade foram mais as pessoas que se disseram surpreendidas por ser tão barata!
  • Para quem comentou que já sabia tudo o que vinha na revista, eu fico mesmo muito contente que saibam tudo, tudo, mas mesmo tudo o que vem escrito numa revista A4 de 100 páginas. Parabéns!
  • Felizmente as mensagens que vos deixo a seguir dizem o contrário, e o quanto vale a pena comprar!

Resolvi escrever este artigo, porque é tão fácil julgar, mas mais fácil ainda, eu acredito que é pormo-nos no lugar do outro e pensarmos em todo o trabalho que algo como uma revista a nível nacional pode dar!

E não é por ser minha, mas a revista está muito boa, e não há nada assim em Portugal, não existem revistas a tocar neste tema, é algo pioneiro, e isso é um orgulho para mim!

Curiosos? Ainda não têm a vossa?
Podem adquiri-la em qualquer papelaria, tabacaria e quiosque do país. Algumas gasolineiras também têm, algumas Fnac´s e todos os supermercados Continente.

O melhor é mesmo perguntarem ao colaborador da loja onde forem, porque em alguns estabelecimentos já esgotou, mas não vão querer ficar sem a vossa número 1, pois não? 

Nas bancas só até 6ª feira, dia 1 de Junho, depois chega a nº2! 

Sigam-me também no meu INSTAGRAM porque lá vou mostrando as matérias da revista, vou sempre fazendo vídeos e desvendando um pouco mais para verem que vale a pena comprar a vossa!

Um grande beijinho a todos, ajudem-me a ajudar-vos, quanto mais a revista vender, mais as marcas vão querer estar presentes, e cada vez teremos mais descontos para usar! 

Relacionados

3 thoughts on “Falar é fácil – Opiniões à revista”

  1. Boa tarde Janine,
    O meu nome é Ana sou uma leitora ávida, leio tudo revistas, livros, blogs os que me interessam como o seu e tenho uma crítica sempre para tudo.
    Faz parte de mim…que fazer. Deixo a minha opinião apesar de não estar registada já sigo o seu blog à algum tempo, as dicas de poupança que nos transmite são muito semelhantes aquelas que a minha mãe me transmitiu ajudou-me adaptar os princípios da minha educação económica se podemos designar à realidade de hoje, sei para onde vai cada cêntimo do meu dinheiro, incluindo pequenos investimentos que já fiz.
    Relativamente à sua revista comprei por pura curiosidade, lá está, para verificar se é tão boa como o blog e de facto isso é bem verdade, não utilizei nenhum dos vales e na verdade esse não foi de todo o objectivo da compra. Quero apenas dar-lhe os parabéns o seu trabalho foi muito bem sucedido, a nível de conteúdo…vou utilizar já uma das receitas publicadas e a nível gráfico clean, simplicidade eu gosto bastante; já à muito tempo que não via uma publicação adaptada a realidade económica e social portuguesa pois as restantes revistas divulgam produtos e marcas substancialmente mais caras o que me desmotiva na leitura das mesmas, até à data em papel eu só comprava a revista do continente, a partir de agora a sua está incluída nas minhas compras. Comprei a 1 e agora estou à procura da 2 que ainda ao dia de hoje não encontrei ainda estava nas bancas, incluindo no continente a revista de Maio.
    Parabéns Janine! 🙂
    Uma última nota quando decidir passar ao nível de aconselhar investimentos a CGD tem o Saldo Positivo ajuda muito e é muito claro ao contrário de outros bancos.

    1. Querida Ana 🙂 Que maravilha de comentário, já ganhei o dia! Sendo tão crítica como diz, fico mesmo muito lisonjeada com o que escreveu sobre a revista, sabe que era exatamente tudo isso que eu queria que as pessoas pensassem quando aceitei este desafio? Está longe de ser fácil e tem-me tirado horas de sono, mas a verdade é que sempre sonhei em ter uma revista de consumo adaptada à realidade económica dos portugueses e que ao mesmo tempo tivesse temas variados e com dicas que facilitassem a vida a todos! Os vales, nesta fase inicial são os possíveis, mas eu acho que quando as marcas conhecerem a revista e perceberem que efetivamente faz falta no mercado algo assim, cada vez vamos ter mais ofertas! Vou trabalhando com afinco e muito carinho neste projeto, e veremos o caminho que leva! Agradeço muito esta sua mensagem, assim vale a pena dormir pouco, eheheh! Beijinhos e muito obrigada

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *