Diarreia do Viajante

Para além da diarreia “normal” existe a chamada diarreia do viajante.

E a verdade é que muitos poupadinhos poupam para poderem fazer uma viagem. Por isso decidi abordar este tema. Os sintomas principais da diarreia são:

  • Urgência defecatória;
  • Cólicas abdominais;
  • Fraqueza e mal-estar;
  • Mais de três dejeções de fezes pastosas ou aquosas;
  • Flatulência e distensão abdominal

Com a diarreia do viajante estes sintomas são iguais e esta situação desagradável pode ser provocada por diferentes tipos de bactérias, vírus e parasitas.

A principal fonte de infeção resulta da ingestão de água e alimentos contaminados e afeta entre 30% a 70% dos viajantes a nível mundial.

É de salientar que ficar com diarreia do viajante não é exclusivo dos países menos desenvolvidos. O risco associa-se, sobretudo, a práticas de higiene menos adequadas na manipulação e preparação dos alimentos.

Os destinos podem ser divididos nos seguintes graus de risco:

  • Países de baixo risco: EUA; Canadá; Austrália; Nova Zelândia; Japão; Europa Ocidental
  • Países de risco moderado: Europa de Leste; África do Sul; algumas ilhas das Caraíbas
  • Países de alto risco: Ásia; Médio Oriente; África; México; América Central e do Sul

De modo a prevenir a diarreia do viajante, eis algumas dicas:

  • Não beber ou lavar os dentes com água da torneira;
  • Evitar cubos de gelo que possam ser feitos com água da torneira;
  • Quando nadar ou tomar banho tentar não engolir a água;
  • Certificar que a comida é adequadamente cozinhada;
  • Lavar cuidadosamente as mãos antes das refeições;
  • Evitar alimentos crus que possam ter sido lavados com água da torneira, pequenas refeições de vendedores ambulantes, carnes frias, moluscos ou mariscos crus.

A diarreia é frequentemente acompanhada por náuseas ou vómitos, cefaleias e febre ligeira. A junção destes sintomas indica uma infeção nos intestinos, ou melhor, uma gastroenterite.
Se este for o seu caso, deve aconselhar-se junto um médico pois a origem pode ser viral ou bacteriana.

Para mais informações, fale com o seu médico e/ou farmacêutico. 

Para outras dicas de saúde, pode clicar AQUI.

Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *